Rádio Online
 
 
pub
Home > Estudos > Estudos / Liderança > A MATURIDADE DA VISÃO: DE FILHOS A PAIS ESPIRITUAIS

Estudos / Liderança

A MATURIDADE DA VISÃO: DE FILHOS A PAIS ESPIRITUAIS
 

A MATURIDADE DA VISÃO: DE FILHOS A PAIS ESPIRITUAIS

Como Gerar uma Terceira Geração Saudável

Ricardo Wagner, ap.

Rede Apostólica Cristã

 

 

 

Últimas Conferências

2009 – Aliançados para Multiplicar – onde foi desenvolvido o conceito de aliança e suas conseqüências

2010 – Líderes Focados no Propósito – onde foi mostrado que líderes de sucesso são movidos por propósitos constantes

2011 – Filhos Fiéis – onde aprendemos os conceitos de paternidade e filiação espiritual

2012 – Marcando as Futuras Gerações – onde vimos que as promessas são multigeracionais e vão aumentando a cada geração

2013 – A Maturidade da Visão: De Filhos a Pais Espirituais – Como gerarmos a terceira geração de forma saudável.

A.     A QUESTÃO DA TERCEIRA GERAÇÃO

Estamos num crescimento e uma ampliação contínua para termos discípulos saudáveis e produtivos.

A grande maioria dos homens que estão comprometidos com a visão de discipular e gerar uma família espiritual, um legado para história, praticamente enfrentam o mesmo problema: Como gerar uma terceira geração saudável? Exemplos...

1. Moisés gerou Josué. E Josué ...
2. Davi gerou Salomão e este gerou um filho que dividiu o reino.
3. Paulo gerou Timóteo, Tito, Filemom e estes ...
4. Elias gerou Eliseu e Eliseu gerou ...

O Modelo de Deus para a paternidade e filiação é o de Elias e Eliseu, segundo Malaquias 4:5-6: “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível Dia do SENHOR; ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição.”

Olhando o discipulado de Elias com Eliseu, vemos uma sucessão perfeita, mas já a seqüência de Eliseu com Geazi, vemos que não teve sucesso.

Precisamos aprender porque o discipulado de Elias com Eliseu funcionou em contraste com o discipulado de Eliseu com Geazi que não funcionou.

Façamos um comparativo:

Semelhanças do discipulado Elias/Eliseu com Eliseu/Geazi

 

 

Elias / Eliseu

Eliseu / Geazi

1.

Discípulo chamado de moço (mostrando ser o sucessor)

“Elias, porém, subiu ao cimo do Carmelo, e, encurvado para a terra, meteu o rosto entre os joelhos, e disse ao seu moço: Sobe e olha para o lado do mar. Ele subiu, olhou e disse: Não há nada. Então, lhe disse Elias: Volta. E assim por sete vezes.” (I Rs 18:42b-43)

Geazi, o moço de Eliseu, homem de Deus, disse consigo...” (II Rs 5:20)

2.

Discípulo servia seu líder

“Voltou Eliseu de seguir a Elias, tomou a junta de bois, e os imolou, e, com os aparelhos dos bois, cozeu as carnes, e as deu ao povo, e comeram. Então, se dispôs, e seguiu a Elias, e o servia.”(I Rs 19:21)

“Ele, porém, entrou e se pôs diante de seu senhor. Perguntou-lhe Eliseu: Donde vens, Geazi? Respondeu ele: Teu servo não foi a parte alguma.” (II Rs 5:25)

3.

Obediência do discípulo

“Partiu, pois, Elias dali e achou a Eliseu, filho de Safate, que andava lavrando com doze juntas de bois adiante dele; ele estava com a duodécima. Elias passou por ele e lançou o seu manto sobre ele. Então, deixou este os bois, correu após Elias”I Rs 19:19-20ª

“Disse o profeta a Geazi: Cinge os lombos, toma o meu bordão contigo e vai. Se encontrares alguém, não o saúdes, e, se alguém te saudar, não lhe respondas; põe o meu bordão sobre o rosto do menino.... Geazi passou adiante deles e pôs o bordão sobre o rosto do menino.” (II Rs 4: 29,31a)

4.

Acompanhamento

Eliseu acompanhou a grande maioria do ministério de Elias

Geazi igualmente acompanhou uma grande parte do ministério de Eliseu

 

Diferenças do Discipulado Elias/Eliseu com Eliseu/Geazi

 

 

Elias / Eliseu

Eliseu / Geazi

1.

Escolhido

Eliseu foi escolhido por Deus

“Disse-lhe o SENHOR: Vai, volta ao teu caminho para o deserto de Damasco e, em chegando lá, unge a Hazael rei sobre a SíriaA Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei sobre Israel e também Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar.” (I Rs 19:15,16)

Parece ser escolhido por Eliseu.

Não há referência de que Deus o tenha escolhido.

2.

Chamado

Um chamado de renúncia

“Partiu, pois, Elias dali e achou a Eliseu, filho de Safate, que andava lavrando com doze juntas de bois adiante dele; ele estava com a duodécima. Elias passou por ele e lançou o seu manto sobre ele. Então, deixou este os bois, correu após Elias e disse: Deixa-me beijar a meu pai e a minha mãe e, então, te seguirei. Elias respondeu-lhe: Vai e volta; pois já sabes o que fiz contigo. Voltou Eliseu de seguir a Elias, tomou a junta de bois, e os imolou, e, com os aparelhos dos bois, cozeu as carnes, e as deu ao povo, e comeram. Então, se dispôs, e seguiu a Elias, e o servia.”(I Rs 19:19-21)

Um chamado sem renúncia

“Certo dia, passou Eliseu por Suném, onde se achava uma mulher rica, a qual o constrangeu a comer pão. Daí, todas as vezes que passava por lá, entrava para comer. Ela disse a seu marido: Vejo que este que passa sempre por nós é santo homem de Deus. Façamos-lhe, pois, em cima, um pequeno quarto, obra de pedreiro, e ponhamos-lhe nele uma cama, uma mesa, uma cadeira e um candeeiro; quando ele vier à nossa casa, retirar-se-á para ali. Um dia, vindo ele para ali, retirou-se para o quarto e se deitou. Então, disse ao seu moço Geazi: Chama esta sunamita. Chamando-a ele, ela se pôs diante do profeta. Este dissera ao seu moço: Dize-lhe: Eis que tu nos tens tratado com muita abnegação; que se há de fazer por ti? Haverá alguma coisa de que se fale a teu favor ao rei ou ao comandante do exército? Ela respondeu: Habito no meio do meu povo.” (II Rs 4:8-13)

3.

Interesses Próprios

Não havia ganância pessoal

“Ele partiu e levou consigo dez talentos de prata (ou seja, 350 kg de prata, algo que equivalia a R$ 723.491,56), seis mil siclos de ouro (ou seja 72.000 g de ouro, algo que equivalia a R$ 7.974.497,74) e dez vestes festivais....  agora, pois, te peço aceites um presente do teu servo. Porém ele disse: Tão certo como vive o SENHOR, em cuja presença estou, não o aceitarei. Instou com ele para que o aceitasse, mas ele recusou.” (II Rs 5:5b,15b,16)

Interesses pessoais compromete o chamado

“Quando Naamã se tinha afastado certa distância, Geazi, o moço de Eliseu, homem de Deus, disse consigo: Eis que meu senhor impediu a este siro Naamã que da sua mão se lhe desse alguma coisa do que trazia; porém, tão certo como vive o SENHOR, hei de correr atrás dele e receberei dele alguma coisa. Então, foi Geazi em alcance de Naamã; Naamã, vendo que corria atrás dele, saltou do carro a encontrá-lo e perguntou: Vai tudo bem? Ele respondeu: Tudo vai bem; meu senhor me mandou dizer: Eis que, agora mesmo, vieram a mim dois jovens, dentre os discípulos dos profetas da região montanhosa de Efraim;dá-lhes, pois, um talento de prata e duas vestes festivais. Disse Naamã: Sê servido tomar dois talentos. Instou com ele e amarrou dois talentos de prata em dois sacos e duas vestes festivais; pô-los sobre dois dos seus moços, os quais os levaram adiante dele. Tendo ele chegado ao outeiro, tomou-os das suas mãos e os depositou na casa; e despediu aqueles homens, que se foram. Ele, porém, entrou e se pôs diante de seu senhor. Perguntou-lhe Eliseu: Donde vens, Geazi? Respondeu ele: Teu servo não foi a parte alguma. Porém ele lhe disse: Porventura, não fui contigo em espírito quando aquele homem voltou do seu carro, a encontrar-te? Era isto ocasião para tomares prata e para tomares vestes, olivais e vinhas, ovelhas e bois, servos e servas? Portanto, a lepra de Naamã se pegará a ti e à tua descendência para sempre. Então, saiu de diante dele leproso, branco como a neve.” (II Rs 5:19b-27)

4.

Tranferência de Unção

Elias transfere sua unção de forma dobrada a Eliseu

“Havendo eles passado, Elias disse a Eliseu: Pede-me o que queres que eu te faça, antes que seja tomado de ti. Disse Eliseu: Peço-te que me toque por herança porção dobrada do teu espírito. Tornou-lhe Elias: Dura coisa pediste. Todavia, se me vires quando for tomado de ti, assim se te fará; porém, se não me vires, não se fará. Indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho. O que vendo Eliseu, clamou: Meu pai, meu pai, carros de Israel e seus cavaleiros! E nunca mais o viu; e, tomando as suas vestes, rasgou-as em duas partes. Então, levantou o manto que Elias lhe deixara cair e, voltando-se, pôs-se à borda do Jordão. Tomou o manto que Elias lhe deixara cair, feriu as águas e disse: Onde está o SENHOR, Deus de Elias? Quando feriu ele as águas, elas se dividiram para um e outro lado, e Eliseu passou.” (II Rs 2:9-14)

Eliseu more sem transferir a unção que permanece com ele

“Morreu Eliseu, e o sepultaram. Ora, bandos dos moabitas costumavam invadir a terra, à entrada do ano. Sucedeu que, enquanto alguns enterravam um homem, eis que viram um bando; então, lançaram o homem na sepultura de Eliseu; e, logo que o cadáver tocou os ossos de Eliseu, reviveu o homem e se levantou sobre os pés.” (II Rs 13:20-21)

5.

Paternidade X Paternalismo

Elias exerceu uma paternidade baseado na meritocracia

“Quando estava o SENHOR para tomar Elias ao céu por um redemoinho, Elias partiu deGilgal em companhia de Eliseu. Disse Elias a Eliseu: Fica-te aqui, porque o SENHOR me enviou a Betel. Respondeu Eliseu: Tão certo como vive o SENHOR e vive a tua alma, não te deixarei. E, assim, desceram a Betel. Então, os discípulos dos profetas que estavam em Betel saíram ao encontro de Eliseu e lhe disseram: Sabes que o SENHOR, hoje, tomará o teu senhor, elevando-o por sobre a tua cabeça? Respondeu ele: Também eu o sei; calai-vos. Disse Elias a Eliseu: Fica-te aqui, porque o SENHOR me enviou a Jericó. Porém ele disse: Tão certo como vive o SENHOR e vive a tua alma, não te deixarei. E, assim, foram a Jericó. Então, os discípulos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu e lhe disseram: Sabes que o SENHOR, hoje, tomará o teu senhor, elevando-o por sobre a tua cabeça? Respondeu ele: Também eu o sei; calai-vos. Disse-lhe, pois, Elias: Fica-te aqui, porque o SENHOR me enviou ao Jordão. Mas ele disse: Tão certo como vive o SENHOR e vive a tua alma, não te deixarei. E, assim, ambos foram juntos. Foram cinqüenta homens dos discípulos dos profetas e pararam a certa distância deles; eles ambos pararam junto ao Jordão. Então, Elias tomou o seu manto, enrolou-o e feriu as águas, as quais se dividiram para os dois lados; e passaram ambos em seco. Havendo eles passado, Elias disse a Eliseu: Pede-me o que queres que eu te faça, antes que seja tomado de ti. Disse Eliseu: Peço-te que me toque por herança porção dobrada do teu espírito. Tornou-lhe Elias: Dura coisa pediste. Todavia, se me vires quando for tomado de ti, assim se te fará; porém, se não me vires, não se fará.” (II Rs 2:1-10)

Eliseu exerceu um paternalismo baseado no favoritismo e na tolerância.

Depois de Geazi ter exposto sua fraqueza e ridicularizado a Eliseu, ele ainda continua sendo seu “moço”, ou seja, seu pretenso sucessor!

“Então, enviou para lá cavalos, carros e fortes tropas; chegaram de noite e cercaram a cidade. Tendo-se levantado muito cedo o moço do homem de Deus e saído, eis que tropas, cavalos e carros haviam cercado a cidade; então, o seu moço lhe disse: Ai! Meu senhor! Que faremos?Ele respondeu: Não temas, porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles. Orou Eliseu e disse: SENHOR, peço-te que lhe abras os olhos para que veja. O SENHOR abriu os olhos do moço, e ele viu que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu.” (II Rs 6:14-17)

6.

Interferência na História

Feitor da História

Elias é levado para o céu, num carro de fogo, e Eliseu fica com o manto do profeta, que simboliza que ele é o sucessor de Elias.
Com o manto Elias realiza o primeiro milagre: em II Reis 2:14 bate na água do Jordão e elas se abrem para ele passar. Outro milagre realiza logo em seguida: em II Reis 2:19s ele purifica as águas de uma fonte, que eram ruins. Nos versículos seguintes (23-25) se conta como algumas crianças zombaram de Eliseu, chamando-o de careca. Então Eliseu lhes amaldiçoou e uma ursa despedaçou 40 deles. 
Em 3:16 seguintes, graças às palavras de Eliseu, outro prodígio acontece: aparece na terra água para matar a sede do povo de Israel.
No capítulo 4 temos outros milagres do profeta Eliseu: primeiro multiplica o óleo e a farinha de uma viúva em dificuldades; depois faz com que uma mulher estéril tenha um filho. Este mesmo filho, mais tarde, morre e é ressuscitado pelo profeta. Nos versículos 38-41 cria um antídoto à uma sopa envenenada. Nos seguintes versículos 42-44 conta-se uma multiplicação dos pães realizada por Eliseu.
Em II Reis 5 temos a narração do milagre mais conhecido de Eliseu, pois é lembrado por Jesus em Lucas 4:27. Trata-se da cura de Naamã, chefe do exército do rei de Aram, que sofria de lepra.
Em II Reis 6:1-7 conta-se como Eliseu encontra facilmente um machado caído nas águas do Jordão. Depois disso, no mesmo capítulo, narra-se como o profeta captura com facilidade um grupo de soldados arameus.
O capítulo 7 conta como a cidade de Samaria fica livre da ocupação graças às palavras eficazes de Eliseu.
Finalmente, em II Reis 13 é contado o último milagre de Eliseu, realizado já quando tinha morrido. Um defundo foi jogado no túmulo de Eliseu e quando o defunto tocou os ossos de Eliseu, voltou à vida.

Além destes feitos, contam-se muitos outros, ao todo cerca de 33 feitos sobrenaturais

Contador da História – não há nenhum relato de algum milagre ou alguma interferência na história

“Ora, o rei falava a Geazi, moço do homem de Deus, dizendo: Conta-me, peço-te, todas as grandes obras que Eliseu tem feito. Contava ele ao rei como Eliseu restaurara à vida a um morto.” (II Rs 8:4,5a)

 

B.      CONDIÇÕES PARA O DISCIPULADO

3 condições para o discipulado:

Lucas 14:25-35

Primeira Condição: Amar mais ao Senhor e ao evangelho que a tudo de mais valor!
Lc 14:25-26 – “Grandes multidões o acompanhavam, e ele, voltando-se, lhes disse: Se alguém vem a mim e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo.”

Segunda Condição: Tomar a Cruz (está falando de se expor por Jesus)
Lc 14:27 – “E qualquer que não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo.”

Terceira Condição:  Parece que é planejamento, mas .... 

Primeira parábola:
Lc 14:28-30 “Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? Para não suceder que, tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem zombem dele, dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar.”
Obs.: Falta de recursos = limitações, fraquezas que impedirão de levar a cabo um projeto

Segunda parábola:
Lc 14:31-32 – “Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil? Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz.”
Obs.: Tenho limitações e fraquezas. Se não me submeter vou ser completamente derrotado!
Por que podemos dizer quês estas parábolas falam de renúncia e abnegação e não de planejamento? Por causa do versículo que segue estas parábolas, explicando-as:
Lc 14:33 – “Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.”
Então, a terceira condição do discipulado é a renúncia.  Geazi não renunciou sua ganância e para nada teve proveito. No final foi apenas um contador de histórias.

E Lucas termina dizendo: sem renúncia, sem influência conforme Jesus afirmou!!!

Lc 14:34-35 – “O sal é certamente bom; caso, porém, se torne insípido, como restaurar-lhe o sabor? Nem presta para a terra, nem mesmo para o monturo; lançam-no fora. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.”

Abnegação / Renúncia

Abnegar: sacrificar ou sacrificar-se em favor de outra pessoa, de uma ideologia, de um propósito, de objetivo etc; abster-se, renunciar

Renunciar: Deixar de possuir alguma coisa; abdicar; negar ou recusar (algo ou alguma coisa);
rejeitar; recusar aquilo a que se tem direito; abjurar, abnegar.

A primeira e segunda geração normalmente são gerações que obrigatoriamente tiveram que pagar um preço para estabelecer um projeto. A primeira geração, por serem os pioneiros e a segunda por acreditarem num projeto e se dedicarem por construí-lo.

A terceira geração normalmente é uma geração de abençoados. Ganharam quase tudo pronto! Agora usufruem daquilo que foi alcançado pelas gerações anteriores. Não precisam renunciar muita coisa. Não precisam se sacrificar muito! Perdem a capacidade de frutificação por não precisarem passar pela reníncia. As vezes a primeira geração é tão bem sucedida que já a segunda geração não precisa passar pela renúncia e já a segunda geração não consegue multiplicar. Esta foi a história de quase todos grandes movimentos.

C.      EXEMPLOS DA HISTÓRIA

Vejamos a história de Abraão e seus descendentes

Abraão recebeu a promessa, mas teve que renunciar sua terra, sua parentela e a casa de seus pais (Gn 12:1). Teve que enfrentar sua velhice e a esterilidade de Sara. Teve que mostrar que cria na entrega de Isaque quando Deus o pediu.

Isaque, por sua vez, enfrentou lutas desde sua infância com a disputa de posição com seu meio irmão mais velho Ismael. Enfrentou a iminência de ser imolado (sacrificado) pelo seu pai Abraão no Monte Moriá. Assumiu a promessa de descendência dada a Abraão e a ele mesmo tendo que crer para que sua esposa tivesse filhos, pois era estéril. Também pagou um preço na terra de Gerar (dos filisteus) onde trabalhou muito abrindo insistentemente os poços na terra de Abimeleque. Vemos algum erro na vida de Isaque (como aconteceu com quase todos grandes homens de Deus na Bíblia), mas não vemos nenhuma paixão não controlada que comprometesse seu chamado. Fez sua parte na história. Temeu e confiou em Deus. Foi descrito no mural daqueles que são chamados heróis da fé (Hb 11:20)

Mas como é comum, a segunda geração tem problemas na formação de seus filhos (a terceira geração).

Quem já não ouviu a máxima: Pai rico, filho nobre, neto pobre. Este é um caminho natural na caminhada da humanidade. Normalmente tudo acaba na terceira geração (quando chega lá)! No mundo dos negócios também fazem a seguinte afirmação: se uma empresa consegue chegar a quarta geração é que realmente está bem alicerçada.

1. Como acontece isto? Vejamos a seqüência:
2. Como já existe uma base sólida, os pais não deixam seus filhos pagarem um preço, renunciarem alguma coisa, ou passarem por desafios e dificuldades, que seus pais passaram.
3. Criam filhos com a visão de paternalismo tolerante e não com a visão de paternidade sadia.
4. Geram filhos que não aprenderem a se abnegarem e a sacrificarem.

Estes filhos entregam-se a suas paixões, pois não aprenderem a disciplina da abnegação, renúncia e sacrifício. Estes concentram-se nos seus interesses, seus prazeres e em si mesmos deixando de lado sua missão, seu destino e propósito. Tudo que fazem é por interesse próprio e para satisfazerem seu prazer, sua paixão, tornando-se estéreis.

Vejamos o que aconteceu com os filhos de Isaque: Jacó e Esaú (a terceira geração).

Esaú: Odiado por Deus

1. Desprezou a promessa (vendeu seu direito de primogenitura)

Hebreus 12:16 – “nem haja algum impuro ou profano, como foi Esaú, o qual, por um repasto, vendeu o seu direito de primogenitura.”

2. Seguiu a paixão pelas mulheres.

Genesis 26:34,35  - “Tendo Esaú quarenta anos de idade, tomou por esposa a Judite, filha de Beeri, heteu, e a Basemate, filha de Elom, heteu. Ambas se tornaram amargura de espírito para Isaque e para Rebeca.”

Genesis 27:46 – “Disse Rebeca a Isaque: Aborrecida estou da minha vida, por causa das filhas de Hete; se Jacó tomar esposa dentre as filhas de Hete, tais como estas, as filhas desta terra, de que me servirá a vida?”

Genesis 28:8-9 – “(Esaú) sabedor também de que Isaque, seu pai, não via com bons olhos as filhas de Canaã, foi Esaú à casa de Ismael e, além das mulheres que já possuía, tomou por mulher a Maalate, filha de Ismael, filho de Abraão, e irmã de Nebaiote.”

Jacó: o trapaceiro

Trapaceou seu irmão, mentiu para seu pai, aprontou para seu sogro. Sua paixão era a trapaça.

Quase que a terceira geração estragou tudo, todo plano de Deus, não fosse a interferência de Deus na vida de Jacó onde ele teve que renunciar sua paixão em sua luta com Deus em Peniel. Ali Deus salvou a história de Israel e gerou uma continuidade. Apenas quando as luxúria (paixão) de Jacó foi confrontada em Peniel é que a posteridade da promessa foi garantida.

Como Isaque e Rebeca erraram? De muitas formas, mas principalmente sendo paternalistas.

1. Havia preferências entre os pais (os filhos eram protegidos).

Genesis 25:27,28 – “Cresceram os meninos. Esaú saiu perito caçador, homem do campo; Jacó, porém, homem pacato, habitava em tendas. Isaque amava a Esaú, porque se saboreava de sua caça; Rebeca, porém, amava a Jacó.”

2.Houve concessões sem justiça e mérito aos filhos, baseado apenas na preferência.

Genesis 27:1-17 – “Tendo-se envelhecido Isaque e já não podendo ver, porque os olhos se lhe enfraqueciam, chamou a Esaú, seu filho mais velho, e lhe disse: Meu filho! Respondeu ele: Aqui estou!
Disse-lhe o pai: Estou velho e não sei o dia da minha morte.
Agora, pois, toma as tuas armas, a tua aljava e o teu arco, sai ao campo, e apanha para mim alguma caça, e faze-me uma comida saborosa, como eu aprecio, e traze-ma, para que eu coma e te abençoe antes que eu morra.
Rebeca esteve escutando enquanto Isaque falava com Esaú, seu filho. E foi-se Esaú ao campo para apanhar a caça e trazê-la.
Então, disse Rebeca a Jacó, seu filho: Ouvi teu pai falar com Esaú, teu irmão, assim:
Traze caça e faze-me uma comida saborosa, para que eu coma e te abençoe diante do SENHOR, antes que eu morra.
Agora, pois, meu filho, atende às minhas palavras com que te ordeno.
Vai ao rebanho e traze-me dois bons cabritos; deles farei uma saborosa comida para teu pai, como ele aprecia; levá-la-ás a teu pai, para que a coma e te abençoe, antes que morra.
Disse Jacó a Rebeca, sua mãe: Esaú, meu irmão, é homem cabeludo, e eu, homem liso.
Dar-se-á o caso de meu pai me apalpar, e passarei a seus olhos por zombador; assim, trarei sobre mim maldição e não bênção.
Respondeu-lhe a mãe: Caia sobre mim essa maldição, meu filho; atende somente o que eu te digo, vai e traze-mos.
Ele foi, tomou-os e os trouxe a sua mãe, que fez uma saborosa comida, como o pai dele apreciava.
Depois, tomou Rebeca a melhor roupa de Esaú, seu filho mais velho, roupa que tinha consigo em casa, e vestiu a Jacó, seu filho mais novo.
Com a pele dos cabritos cobriu-lhe as mãos e a lisura do pescoço.

Então, entregou a Jacó, seu filho, a comida saborosa e o pão que havia preparado.”

3.      TRAZENDO À NOSSA REALIDADE

Afirmações de especialistas com respeito a formar uma terceira geração sadia.

Os pais são a chave para os filhos produzirem uma terceira geração saudável na visão celular. (Obs. Veja que os pastores são a primeira geração, os supervisores a segunda e os líderes a terceira.)

David Yonggi Cho – “A mais importante função no ministério celular é a de supervisor de líderes de células.”

Jay Firebaugh – “Os supervisores são a chave. Eu descobri o que diferencia um sistema de célula que funciona do que não funciona: supervisores de qualidade.”

Dwight Marable e Jim Egli – Eles pesquisaram igrejas em células ao redor do mundo e descobriram que os supervisores de líderes era o elemento chave para assegurar o sucesso das células. Jim Egli disse: “nós descobrimos 6 elementos essenciais no sistema celular. A supervisão de líderes supera em importância a todos os elementos essenciais, inclusive a oração e o treinamento.”

Estamos vivendo a mesma realidade no mundo físico.

Por causa da facilidade com que as pessoas têm sido criadas, sem abnegação, sacrifício e renúncia, elas têm pensado mais em si que na sua missão:

Em 2010 uma pesquisa apontou no Brasil que 14% das mulheres não querem ter filhos. Nos últimos 50 anos as mulheres diminuíram sua fertilidade de 6,1 filhos por mulher para 1,9 filhos por mulher!

Por quê? As respostas são inúmeras,mas todas caem numa vala comum: estão concentradas mais em seus interesses e prazeres que em sua missão.

As respostas mais comuns são:

- Não conseguem conciliar sua carreira com um filho.

- Gastaram seu tempo estudando e trabalhando, quando viram era tarde demais para ter um filho.

- Com filho não teriam liberdade para viajarem, estudarem, trabalharem, ganharem dinheiro, construírem uma carreira, fazerem o que quisessem.

- Custa muito caro. Um filho de classe média até ser independente custa em média R$ 500.000,00.

Mas qual a mãe troca seu filho por R$ 500.000,00

Tudo baseado no eu e não na missão de ser mãe. Assim, abdicam dos melhores dias da sua vida e da grande recompensa de ter um filho!

Qual a Solução?

1.      Primeiramente Pais precisam desfazer-se do paternalismo.

Definição de Paternalismo: Paternalismo é a modalidade de autoritarismo, na qual uma pessoa exerce poder sobre a outra combinando decisões arbitrárias e inquestionáveis, com elementos sentimentais e de concessões graciosas, com a tendência para superproteção, tolerância, favoritismo e nepotismo.

 2.      Segundo os pais precisam estabelecer paternidade sadia, baseada na meritocracia da abnegação!

Definição de Meritocracia: A palavra meritocracia (do latim meritu: mérito; e cracia: poder) refere-se a um modelo de organização que considera o mérito para a promoção ou reconhecimento dos elementos nele inseridos. Por não considerar distinções de sexo, raça, condições sociais ou financeiras, o modelo meritocrático se torna um mecanismo justo de seleção e promoção. O elemento que geara o mérito no reino de Deus, e a capacidade para frutificar, é a abnegação!

Vida de oração, jejum, dedicação, esmero e contribuição demonstram a abnegação e renúncia para meus próprios interesses colocando os interesses do Rei Jesus acima de tudo. Com isso alcançarei os melhores resultados.

A meritocracia é a base de todo grande desenvolvimento da humanidade. Os países em melhores condições sociais atualmente (Coréia, Singapura, Finlândia) têm toda sua cultura de educação baseada na meritocracia.

Este é o método de Jesus:

João 15:8 – “Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos.”

João 15:5 – “Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.”

João 12:24 – “Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto.

Por fim:
Marcos 8:34,35 NTLH – “Se alguém quer ser meu discípulo, que esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto para morrer como eu vou morrer e me acompanhe. Pois quem põe os seus próprios interesses em primeiro lugar nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo por minha causa e por causa do evangelho terá a vida verdadeira.

13/11/2013

Veja Mais...

20/Jul/2011

Igreja no Propósito.

 
29/Mar/2011

Unidade Gera Conquista.

 
04/Mar/2011

Getsêmani do Líder.