Rádio Online
 
 
pub
Home > Estudos > Estudos da Célula > TIPOS DE SEGUIDORES DE JESUS

Estudos da Célula

TIPOS DE SEGUIDORES DE JESUS
 

Tipos de Seguidores de Jesus (Ricardo Wagner, ap.)

Quando analisamos o ministério de Jesus, percebemos uma infinidade de pessoas que se aproximavam dele. Cada pessoa tinha seus próprios interesses e motivos por seguir a Jesus. Se reunirmos por grupos, podemos separar estas pessoas em três agrupamentos distintos: multidões, seguidores e discípulos.

1. Multidões

Desde o início do ministério de Cristo houveram grandes aglomerações em torno de sua pessoa e de sua mensagem. Algumas das palavras de Jesus soaram interessantes a um grupo numeroso de pessoas que, com certo grau de curiosidade, afluíam aos locais onde Jesus ensinava.

Este grupo não possuía uma identidade específica. Era composto de pessoas de diferentes etnias, de níveis variados de formação religiosa e, culturalmente, miscigenados. Neste grupo haviam fariseus e camponeses, nobres e plebeus, líderes e serviçais. Este grupo é denominado de “multidão”.

Mt 4:25 – “E da Galileia, Decápolis, Jerusalém, Judeia e dalém do Jordão numerosas multidões o seguiam.”

Quem faz parte da multidão, tem como característica estar acostumado a viver um padrão de vida cristã medíocre. Praticamente não tem nenhum comprometimento e dedicação com a Palavra e com a obra de Deus. Procuram coisas que vão suprir apenas suas próprias necessidades momentâneas e seus interesses pessoais. Não estão dispostos a nada que tenham que manifestar alguma abnegação e prejuízo pessoal.

Jo 6:2 – “Seguia-o numerosa multidão, porque tinham visto os sinais que ele fazia na cura dos enfermos.”

Jo 6:26 – “Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes.”

O problema de ser “multidão” é que a decisão de seguir a Cristo e se comprometer com Ele sempre está na “corda bamba”. A mesma multidão que havia contemplado Jesus, recebendo-o com louvores em Jerusalém, foi a mesma multidão que depois gritou: “Crucifica-o, crucifica-o, solte Barrabás”.

Fazer parte da multidão não gera amor e compromisso com Jesus. Fazer parte da multidão é ser volúvel, sem firmeza em sua fé, e dependem somente das pessoas para seguir em frente. Sua fé está baseada em opiniões de pessoas e de suas necessidades e interesses individuais.

Jo 19:15a – “Eles, porém, clamavam: Fora! Fora! Crucifica-o!”. Lc 23:18 – “Toda a multidão, porém, gritava: Fora com este! Solta-nos Barrabás!”

2. Seguidores Ocasionais Existia também outro grupo mais limitado de pessoas que se aproximavam de Jesus nos tempos de seu ministério terreno. Pessoas que não apenas se interessavam em ouvir o que Jesus tinha a ensinar, mas que queriam ver de mais perto seus milagres e suas extraordinárias realizações.

Tratava-se de um número reduzido de pessoas que o acompanhavam em seu trânsito no território da palestina. Estas pessoas que assim agiam foram classificadas nos evangelhos como seguidores.

Mt 8:10 – “Ouvindo isto, admirou-se Jesus e disse aos que o seguiam: Em verdade vos afirmo que nem mesmo em Israel achei fé como esta.”

Os seguidores, demonstram eventualmente algum tipo de afeição. Não querem se perder no meio da multidão, mas também não estão interessados em se aproximar demasiadamente. Gostam da presença de Jesus. Agradam-se de Sua palavra. Seguidores são diferentes da multidão. Não ficam na periferia do cristianismo oscilando entre crer e não crer.

Entretanto, são considerados superficiais, tendo em vista que não possuem coragem o suficiente para negar a fé, mas também não têm a ousadia necessária para ir às últimas consequências por amor a Jesus, e muito menos se comprometem em gerar e multiplicar o Reino de Deus. Estão juntos, mas não totalmente comprometidos.

3. Discípulos

Já os discípulos de Jesus se constituem numa classe distinta. Eles estão dispostos a estar no centro do que Deus quer para suas vidas. Não admitem viver na superficialidade de uma vida cristã. Para o discípulo é tudo ou nada. Nenhum preço é alto demais para ser pago por amor a Jesus. Nenhuma exigência do evangelho é pesada o suficiente para fazê-lo renunciar a fé.

O discípulo anseia pela intimidade com seu Senhor. Está disposto a dar a sua vida pelo propósito ao qual foi chamado seja onde for, custe o que custar. A razão de sua vida é viver para seu Deus.

Lc 14:33 – “Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.”

PERGUNTAS: Onde nos encontramos nesta classificação das pessoas que se aproximaram de Jesus? Nos enquadramos como parte da multidão, dos seguidores ou dos discípulos? Onde Deus quer que nós estejamos. Onde é melhor estar? O que fazer para chegarmos lá?

Reunião da Célula

1. Encontro

a. Enquanto as pessoas forem chegando, você pode deixar uma música de fundo rodando no ambiente. Isto ajuda a preparar o ambiente para célula e deixa mais descontraído.

b. Nunca deixe de dar muita atenção para os novos na célula. Eles precisam se sentir especiais (como realmente são).

c. Peça para as pessoas que trouxeram os visitantes, apresentarem estas pessoas. Receba a todos com muita expectativa e amor.

d. Quebra Gelo: Pergunta: Qual é a coisa que você mais gosta da igreja? Louvores, Palavra, Comunhão, Milagres/Testemunhos, Oração ... ?

2. Exaltação

a. Se houver possibilidade, cante dois cânticos bem alegres. Se não há quem toque um instrumento, seria interessante que se tenha um aparelho de som e se colocasse uma música pré-selecionada que todos possam cantar juntos. Pode ser até um celular.

b. A presença de Deus é que faz com que as pessoas sejam transformadas na célula. Então valorize este momento para todos entenderem que sobretudo a presença de Deus deve ser valorizada e desejada.

c. Ore pelo andamento da célula e por cada pessoa!

3. Edificação

a. Estamos vivendo em tempos em que o evangelho está sendo banalizado para que o “populismo” e a superficialidade sem a devida transformação está em alta. Precisamos compreender o modelo de Deus e levar os membros de nossas células a maturidade e verdadeiro discipulado em Deus.

b. Quando os membros de nossas células compreenderam que não podem ficar no anonimato da multidão, e avançar para serem seguidores e verdadeiros discípulos, teremos a expansão do Reino em nossas cidades.

4. Evangelismo

a. Ore para que as pessoas de sua célula venham a crescer e avançarem para serem verdadeiros discípulos comprometidos com a Palavra e a obra de Deus.

b. Ore sempre pelas necessidades das pessoas (pode fazer uso da cadeira da bênção para esta oração).

c. Aproveite para levar as pessoas que ainda não conhecem a Jesus a se entregarem a ele.

d. Ore pelas pessoas que estão na lista de oração. Faça algo criativo para elas sentirem verdadeiramente que esta lista é muito importante.

e. Dê os avisos necessários.

f. Orem pela liderança da sua igreja e da Rede Apostólica.

g. NUNCA deixe de compartilhar os objetivos da célula, discutir como estão avançando nestes objetivos, estabelecer estratégias e orar por eles. Faça SEMPRE isto.

h. Não esqueça de fazer mensalmente a REUNIÃO FESTIVA para facilitar trazer novas pessoas para a célula.

Observação: Lembre que estamos saindo de um tempo onde as pessoas perderam a confiança em si nas circunstâncias que as cercam. Então aproveite e mobiliza sua célula para fazer uma grande colheita. Não fique parado neste tempo. É um grande tempo para trabalhar e colher. Se este tempo passar sem que tivermos feito a grande colheita, certamente na sequencia nos arrependeremos.

09/11/2020

Veja Mais...

02/Nov/2020

O PODER DE DEUS.

 
12/Out/2020

SER APOSTÓLICO.