Rádio Online
 
 
pub
Home > Estudos > Estudos da Célula > A VELA QUE NÃO ILUMINA

Estudos da Célula

A VELA QUE NÃO ILUMINA
 

 A Vela Que Não Ilumina (Ricardo Wagner, ap.)

O apóstolo Paulo é considerado como sendo o maior líder do cristianismo e a pessoa de mais relevância no desenvolvimento da igreja. Ele escreveu 13 dos 27 livros do Novo Testamento. Paulo com suas equipes apostólicas fundaram uma boa parte das igrejas mais proeminentes da antiguidade. Sem ele a doutrina da igreja não existiria.

Sabe-se que ele foi educado em Jerusalém, sob o ensino do renomado doutor da lei, Gamaliel. Paulo conhecia profundamente a cultura grega. Ele também falava o aramaico, era herdeiro da tradição do farisaísmo, estrito observador da Lei e mais avançado no judaísmo do que seus contemporâneos (Gl 1:14; Fp 3:5,6).

Antes de sua conversão Paulo era um ferrenho perseguidor dos cristãos. O livro de Atos nos informa que quando Estêvão foi apedrejado até a morte, suas vestes foram depositadas aos pés de Paulo (Atos 7:58). Após esse episódio, Paulo assumiu uma posição importante na perseguição aos cristãos. Ele recebeu autoridade oficial para liderar as perseguições. Além disso, na qualidade de membro do concílio do Sinédrio, dava o seu voto a favor da morte dos cristãos (Atos 26:10).

O próprio Paulo afirma que “respirava ameaça e morte contra os discípulos do Senhor” (Atos 9:1). Além de deflagrar a perseguição em Jerusalém, ele solicitou cartas ao sumo sacerdote para as sinagogas em Damasco. Seu objetivo era levar preso qualquer um que fosse seguidor de Cristo, tanto homens como mulheres (Atos 9:2). Paulo perseguia e assolava a igreja de Deus (Gálatas 1:13). Ele fazia isso acreditando que estava servindo a Deus e preservando a pureza da Lei.

O que se sabe sobre a conversão de Paulo é que ele partiu em direção a Damasco com o intuito de destruir a comunidade cristã daquela cidade. De repente, algo inesperado aconteceu, algo que causou uma mudança radical, não só na vida de Paulo, mas no curso da história.

At 9:3-6 – “Seguindo ele estrada fora, ao aproximar-se de Damasco, subitamente uma luz do céu brilhou ao seu redor, e, caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Ele perguntou: Quem és tu, Senhor? E a resposta foi: Eu sou Jesus, a quem tu persegues; mas levanta-te e entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer.”

Após o encontro que Paulo teve com Cristo, ele foi a Damasco e em poucos dias já começou a pregar. Depois disto pouca coisa se sabe a respeito do que Paulo fez por 13 anos. Há relato que ele ficou um tempo na Arábia – algo em torno de 3 anos - (Atos 9:20-22; Gl 1:17), pregou novamente em Damasco e foi a Jerusalém onde ficou pouco tempo e logo o despacharam com medo da perseguição que havia contra ele (At 9:26-30).

Apenas depois de 13 anos Barnabé, estando em Antioquia, foi buscar Paulo em Tarso para ajudá-lo na igreja daquela cidade. Paulo ficou 13 anos esquecido até alguém valorizá-lo e fazer que sua luz brilhasse. Por pouco não perdemos o maior expoente do cristianismo.

A exemplo de Paulo que ficou escondido por um bom tempo até vir a ser uma expressão tremenda na história, o Senhor nos diz: “Levanta-te, resplandece, porque já vem a tua luz, e a glória do SENHOR vai nascendo sobre ti” (Is 60:1). Jesus nos alerta para não ficarmos escondidos. Assim como Paulo foi uma pérola para a sociedade, Jesus nos alerta: “Vós sois a luz do mundo” (Mt 5:14a).

PERGUNTA: Você percebe que muitos poderiam ser despertados? E você, percebe que poderia ser muito mais?

Leia Mt 5:14-16, Mc 4:21, Lc 8:16, 11:33 - Jesus usou uma comparação bem conhecida na época. Ele pega o exemplo de acender uma candeia (uma espécie de vela) numa residência. Uma vez que as casas humildes tinham um só cômodo, uma só candeia iluminava toda casa. Ele nos compara com esta candeia que deve iluminar todo ambiente ao nosso redor.

a. Não podemos deixar que a luz que está em nós seja abafada por outras coisas. “Nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire” (Mt 5:15 veja também Mc 4:21, Lc 8:16, 11:33). Um alqueire era uma espécie de vaso com capacidade aproximada de 9 litros para medir quantidade de cereais. A candeia não é acessa para ser colocada embaixo deste vaso.

b. Não podemos pensar que esta luz não tem valor. “Ninguém, depois de acender uma candeia, ... a põe debaixo de uma cama” (Lc 8:16). Isto significa que não se acende a candeia para colocar em lugar insignificante. Não podemos ficar com medo. A luz que está em nós deve iluminar a todos.

c. Não podemos esconder está luz dos outros. “Ninguém, depois de acender uma candeia, a põe em lugar escondido” (Lc 11:33). O lugar escondido que se refere aqui é uma espécie de cripta, ou um porão abandonado. Isto significa que a nossa luz não deve brilhar apenas no secreto, mas onde todos vejam.

Jesus diz que nos tornamos a “luz do mundo” e como uma candeia (vela) deve ser colocada mais alto no candelabro/velador para iluminar a todos na casa. Ele espera que nós sejamos a diferença onde estamos vivendo.

PERGUNTAS: Dê alguns exemplos de como estas 3 formas de abordagem da candeia ainda acontecem hoje.

Reunião da Célula

1. Encontro

a. Enquanto as pessoas forem chegando, você pode deixar uma música de fundo rodando no ambiente. Isto ajuda a preparar o ambiente para célula e deixa mais descontraído.

b. Peça para as pessoas que trouxeram os visitantes, apresentarem estas pessoas. Receba a todos com muita expectativa e amor.

c. Quebra Gelo. Pergunta: O que você pensa que tem de qualidade em sua vida que mais pode ajudar as outras pessoas?

2. Exaltação

a. Se houver possibilidade, cante dois cânticos bem alegres. Se não há que toque um instrumento, seria interessante que se tenha um aparelho de som e se colocasse uma música pré-selecionada que todos possam cantar juntos. Pode ser até um celular.

b. Lembre-se que quem muda as pessoas é o Espírito Santo. Então, a presença do Espírito Santo precisa ser apreciada. Deixe claro isto para todos participantes, que o Espírito Santo é a pessoa mais especial na reunião. Orem para que ele seja bem-vindo e faça diferença na reunião. Mostre que você é apaixonado pelo Espírito Santo e sua presença.

3. Edificação

a. O objetivo desta ministração é levar as pessoas a ver que aquilo que está em sua vida é de grande valor e não pode ser desprezado. Então, leve cada um a entender que pode ser e fazer muito além daquilo que vive atualmente.

b. Através do exemplo da candeia que foi posicionada em lugares errados, faça cada um entender qual sua atual posição e se moverem para estarem sobre o castiçal num lugar de proeminência, pois este é seu lugar.

4. Evangelismo

a. Ore para as pessoas que se menosprezam para que entendam seu valor em Cristo e avancem para influenciar a todos ao seu redor.

b. Ore sempre pelas necessidades das pessoas (pode fazer uso da cadeira da bênção para esta oração).

c. Aproveite para levar as pessoas que ainda não conhecem a Jesus a se entregarem a ele.

d. Ore pelas pessoas que estão na lista de oração. Faça algo criativo para as pessoas sentirem verdadeiramente que esta lista é muito importante.

e. Dê os avisos necessários.

f. Orem pela liderança da sua igreja e da Rede Apostólica.

g. NUNCA deixe de compartilhar os objetivos da célula, discutir como estão avançando nestes objetivos, estabelecer estratégias e orar por eles. Faça SEMPRE isto.

h. Não esqueça de fazer mensalmente a REUNIÃO FESTIVA para facilitar trazer novas pessoas para a célula.

Observações:

Durante as ministração da palavra na célula a interação através das perguntas é o ponto culminante da reunião. Se as perguntas descritas no folha de ministração não geram uma interação efetiva, desenvolva outras perguntas para que cada pessoa possa contribuir.

12/06/2019

Veja Mais...

14/Mai/2019

O DEUS VIVO.

 
07/Mai/2019

A GLÓRIA DE DEUS .