Rádio Online
 
 
pub
Home > Estudos > Ministério Profético > Profetas na Igreja (Parte 2)

Ministério Profético

Profetas na Igreja (Parte 2)
 

Como descrito na Parte 1, os profetas da atualidade, na maioria das vezes, baseiam-se nos profetas do Velho Testamento para desempenhar seu papel na igreja. Este é um grande erro, uma vez que o Novo Testamento delineia um novo perfil para o ministério profético. Se os profetas da atualidade desempenharem sua função de acordo com os profetas do Velho Testamento, veremos grandes conflitos na igreja - o que tem acontecido normalmente. Os profetas no Velho Testamento eram independentes, não prestavam contas a reis e sacerdotes e muitas vezes agiam descomprometidos com os líderes nacionais. Se na igreja tivermos profetas assim, teremos estruturas conflituosas e rebeldes.

No Velho Testamento os profetas funcionavam independentemente dos reis e sacerdotes. Com algumas exceções de prestarem conta para outros profetas, eles prestavam contas apenas para Deus.

Analisemos a qual a função dos profetas do Velho Testamento:

1. Profetas eram usados para ungir os reis. Não necessariamente coroavam reis, porém os escolhiam e os ungiam (I Sm 16:1-13).

2. Profetas eram a consciência da nação e do rei que liderava. Jeremias foi a consciência de Judá por muitos anos, apesar do povo e do rei refutarem a possibilidade de Deus julgar Israel através dos babilônicos.

3. Profetas, algumas vezes, confrontavam reis. Elias confrontou Acabe (I Rs 18:1-9) e Samuel repreendeu a Saul (I Sm 15:12-31).

4. Profetas traziam consolo e encorajamento para os reis. Elias trouxe encorajamento e conforto ao Rei Acabe na batalha mais estratégica de sua vida, apesar de Acabe ser um rei apóstata.

Certamente muitas destas características ainda fazem parte do ministério profético atual. Porém se for usado como modelo único, no mínimo será incompleto, porém ainda pior, extremamente perigosos. O modelo profético para igreja não está alicerçado no modelo profético do Velho Testamento, mas sim do Novo. O Novo Testamento redesenha a função profética e estabelece parâmetros completamente diferentes para o seu exercício. Aqueles que hoje alicerçarem sua atuação profética com base no Velho Testamento, gerarão um espírito legalista, distante, divisionista, rebelde, descomprometido e confuso na igreja local.

Os profetas hoje tem a função específica de:

1. Ver para dentro do mundo invisível. O profeta percebe atividades espirituais (benignas ou malignas) muito antes que qualquer outra pessoa.

2. Profetas vêem a unção e os dons de Deus sobre as pessoas. Profetas percebem a ação de Deus na vida das pessoas e desta forma podem encorajá-las e consolá-las.

3. Profetas podem mudar o clima espiritual. Através de suas palavras de encorajamento por perceber o que outros não percebem, o profeta pode mudar toda perspectiva de futuro de um povo.

4. Profetas trazem poder evangelístico para igreja. Através de suas revelações, os incrédulos ficam estupefatos da sabedoria de Deus e se convertem ao Senhor.

5. Profetas trazem direção, correção e confirmação.

continua...

Ricardo Wagner, apóstolo

 

 

16/05/2006

Veja Mais...

23/Mar/2006

Tempos da Restauração.

 
04/Jan/2006

O Silêncio dos Profetas.

 
24/Dez/2005

Novas Estações.