Rádio Online
 
 
pub
Home > Estudos > Ministério Apostólico > Palavra Apostólico-Profética para 2007

Ministério Apostólico

Palavra Apostólico-Profética para 2007
 

Outro dia ouvi de uma pessoa algo muito curioso, porém verdadeiro: “Bendito aquele que inventou o calendário, pois a cada novo ano, parece que tudo de velho passou e pode-se começar tudo de novo”.

Verdadeiramente a virada de ano traz consigo uma mensagem de renovação. A cada novo ano pode-se estabelecer novos desafios e reiniciar as atividades com um novo ânimo. Por isso é muito importante que ao iniciar um novo ano se tenha um sábio direcionamento profético para que se avance corretamente em direção ao destino estabelecido por Deus para sua igreja.

Chuck Pierce profetizou o seguinte a respeito de 2007:

“Você está entrando num ano onde as coisas vão sacudir, vão tremer!”

Ele estava falando que as coisas iriam estremecer tanto espiritualmente como fisicamente (terremotos). As coisas vão ser sacudidas e agitadas. Aqueles que estão bem alicerçados serão confirmados e fortalecidos. Precisamos ficar prontos. Será um ano onde as estruturas serão abaladas. Quem não estiver bem fundamentado poderá perecer.

2007 será um ano onde velhos planos e estratégias findarão e ficarão para trás, e novas estratégias serão liberadas. Estratégias mais poderosas e de maior impacto. Uma velha estação está se findando e uma nova estação está para nascer.

Não se intimide com as lutas e guerras que surgirão. Não desista de seus sonhos. Deus é fiel. Você apenas perderá a batalha se você abandoná-la. Este será o ano de possuir sua promessa. Um novo mover do Espírito está vindo para liberar coisas novas. Estamos entrando numa época como quando Josué enfrentou pela segunda vez os habitantes Ai. A primeira vez haviam falhado. Mas aquilo que não funcionou na primeira vez, agora funcionará (Js 7-8). As estruturas espirituais do inimigo serão abaladas. É um tempo de mudanças. Um tempo de grandes coisas. O que Deus fará neste próximo tempo que se aproxima é muito grande. Muito grande. Muito grande. Todas as coisas serão intensas. Tanto as de Deus como as das trevas. Não seja iludido pelas trevas. Fixe seu olhar nas coisas do alto e experimentarás coisas grandes e intensas.

Ano de Impacto

O apóstolo John Eckhardt afirma que todo futuro mover de Deus na igreja dependerá da completa restauração do ministério apostólico e profético. Então, se quisermos ver o grande e intenso mover de Deus temos que estabelecer por definitivo a mentalidade apostólica na igreja.

Por isso gostaria de meditar sobre a atividade dos apóstolos da igreja primitiva. Como sabemos, apóstolo significa enviado. Os apóstolos foram especialmente estabelecidos e enviados para estabelecer o Reino de Deus nos territórios para onde eram enviados.

Normalmente pensamos que os apóstolos entravam em um novo território onde nada havia e ali começavam algo completamente novo. Porém, este não era o caso. Ao implantarem novas igrejas em novos territórios, os apóstolos normalmente iam ao encontro de algumas pessoas que o Espírito Santo já havia preparado. O Espírito Santo despertava antecipadamente pessoas que se tornavam a porta de entrada para o evangelho naquela cidade. Os apóstolos iam ao encontro destas pessoas e ali davam continuidade ao que o Espírito Santo já havia começado. Eles consolidavam aquilo que o Espírito já estava fazendo.

Vejamos alguns exemplos:

1. Pedro na casa de Cornélio (At 10). Pedro foi a Cesaréia pregar pela primeira vez aos gentios por convite de Cornélio. O Espírito Santo já havia preparado tudo. Pedro apenas foi à casa de Cornélio e quando começou a falar, os gentios foram batizados com o Espírito Santo e posteriormente muitos foram batizados naquele dia.

2. Paulo em Filipos (At 16:6s). Paulo havia sido impedido pelo Espírito Santo de pregar na Ásia, mas teve uma visão onde viu um macedônico pedindo ajuda. Ao descer para a cidade de Filipos, foi diretamente a um lugar de oração, onde encontrou pessoas tementes a Deus. Lídia recebeu a Palavra e foi batizada com toda sua família. O Espírito Santo orientou Paulo para onde deveria ir e encontrando ali pessoas tementes a Deus, consolidou a obra que o Espírito já havia começado.

3. Paulo estabelecendo a igreja de Éfeso (At 19). Quando Paulo chegou em Éfeso ele encontrou ali alguns discípulos que haviam sido orientados por Apolo. Estes discípulos estavam prontos para que Paulo os ensinasse. Quando Paulo expôs o evangelho, logo eles foram batizados e receberam o Espírito Santo. Como nos outros casos, novamente Paulo deu continuidade ao que o Espírito Santo já havia começado. A função de Paulo foi consolidar em Éfeso aquilo que o Espírito já iniciara.

4. Paulo pregando em Corinto (At 18:1-23). Quando o apóstolo Paulo foi a cidade de Corinto, após pregar na sinagoga, “entrou na casa de um homem chamado Tício Justo, que era temente a Deus, a qual era contígua à sinagoga” (v.7) e posteriormente batizou a muitos, inclusive Crispo, principal da sinagoga. Paulo permaneceu ali por um ano e seis meses, pois o Espírito Santo o havia falado que tinha muito povo naquela cidade (v.10).

É interessante que quando Paulo ia às cidades para estabelecer igrejas, normalmente o primeiro lugar onde pregava era nas sinagogas dos judeus. Ele sabia que ali provavelmente encontraria pessoas tementes a Deus que estavam sendo preparadas pelo Espírito para receberem a Palavra. Tudo começava com estas pessoas. O verdadeiro trabalho dos apóstolos era consolidar a tarefa já iniciada pelo Espírito Santo.

Os apóstolos em suas viagens passaram por muitas cidades. Em nem todas cidades eles estabeleceram igrejas. O lugar onde eles não encontravam alguém que estivesse sendo preparado pelo Espírito Santo deixavam para trás e seguiam adiante.

O espírito apostólico é o espírito da consolidação. A obra apostólica é consolidar o que o Espírito Santo iniciou. Pessoas e igrejas que não se dispõe a ir e consolidar o que já foi iniciado pelo Espírito, não possuem em sua essência o espírito apostólico. Não é por menos que Jesus disse que é o Espírito Santo que convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16:8).

Recentemente fui a uma cidade para implantarmos uma célula que é o embrião de uma nova igreja. A expressão da moça que abriu as portas para iniciarmos a célula foi a seguinte: “Estava orando dois anos para que isto acontecesse.” O Espírito Santo já estava preparando tudo. Nossa obra está sendo apenas consolidar aquilo que Ele já iniciou. Quando pensamos desta maneira tudo se torna mais fácil. Significa que as coisas não dependem unicamente de nós. Da nossa habilidade. Da nossa capacidade. O que temos que fazer é apenas consolidar. A obra principal depende do Espírito Santo. Se Ele não fizer a obra, de nada adianta nós nos esforçarmos. A obra é dele.

As Duas Perspectivas Apostólicas

Os exemplos que vimos acima são exemplos de consolidação apostólica na expansão do Reino de Deus além das fronteiras da igreja já estabelecida. Porém, uma igreja não pode ser apenas apostólica em relação a outros territórios. A igreja precisa ser também apostólica em relação a suas fronteiras de ação. Ou seja, a consolidação daquilo que o Espírito Santo já iniciou naquele território e na vida das pessoas daquela localidade é a essência de uma igreja apostólica.

Ananias foi orientado por Deus para consolidar a Paulo, que no caminho de Damasco havia sido impactado pelo Espírito Santo (At 9:9-19). O Espírito já havia começado a obra na vida de Paulo. Ananias apenas consolidou o que o Espírito já havia iniciado.

Num ano onde pretendemos ver o avanço do Reino de Deus de forma surpreendente, temos que imediatamente contagiar a igreja com a mentalidade apostólica. E o espírito apostólico é o Espírito da consolidação. A igreja deve estar contagiada com a mentalidade da consolidação. Todo cristão deve se tornar um consolidador para se tornar apostólico. Uma igreja apostólica é uma igreja que o centro de sua atenção está na consolidação. Uma igreja apostólica é uma igreja que a consolidação é o cerne de suas atividades. Todos esforços de uma igreja apostólica estão voltados para garantir que onde o Espírito começou algo, ali haverá alguém para consolidar.

Estratégias Práticas para Igreja em 2007

1. Estabelecer oração e jejum de 21 dias. Fazer isto com a finalidade de liberar os céus a fim de que o Espírito Santo possa trabalhar na vida das pessoas e prepará-las para serem consolidadas. O jejum de 21 dias de Daniel é um modelo de jejum com oração que libera o céu para atuação do Espírito de Deus. Pedro estava orando quando foi convidado para ir a casa de Cornélio. Paulo estava sintonizado com Deus quando o Espírito Santo o orientou a ir para Europa. Ananias mantinha intimidade com Deus para que o Espírito Santo o falasse exatamente onde Paulo se encontrava. Normalmente a oração precede o agir do Espírito e abre as portas para consolidação.

2. Garantir que a consolidação seja realizada. Estabelecer uma metodologia na igreja local a fim de garantir que cada pessoa que veio a qualquer reunião (célula, redes, cultos) seja consolidada. Aqueles que consolidarem devem prestar conta para seus líderes como foi a consolidação daquela pessoa.

3. Valorizar a consolidação. A valorização das pessoas deve ser diretamente proporcional com a disposição de consolidar, uma vez que a consolidação exige disposição de ir ao encontro do novo convertido onde quer que ele esteja. Se for necessário, estabelecer um ministério de consolidação para valorizar e garantir que esta obra seja realizada.

Da mesma forma que agimos localmente temos que agir fora dos limites de nosso território, invadindo novas localidades e trabalhando para consolidar o fruto em quem o Espírito Santo começou boa obra.

Agindo assim, tenho convicção que o Reino de Deus será expandido muito rapidamente e veremos o mover de Deus dos últimos tempos sendo gerado em nosso meio.

Que a bênção de Deus seja sobre tua vida neste 2007.

Com carinho

Ricardo Wagner, apóstolo

31/12/2006

Veja Mais...

19/Out/2006

Apóstolos e Profetas.

 
08/Jun/2006

O Mover de Deus.